Blog Bz Tech

Glossário da Automação Comercial

4 de fevereiro de 2011 | FAQ - Perguntas Frequentes

Glossário da Automação Comercial. Com o intuito de esclarecer dúvidas,  fizemos a seleção de alguns dos termos mais usados no mercado da automação comercial e os reunimos nesse post para explicar de maneira breve o que significa cada termo e para que ele serve.

CÓDIGO DE BARRAS:

Utilizado para facilitar a entrada de dados em sistemas de processamento – através de identificação automática de itens. A identificação se torna automática a partir de uma leitura ótica, rápida e precisa, que codifica dados alfanuméricos (constituídos por uma seqüência de barras e espaços alternados, representando informações codificadas que podem ser reconhecidas por leitores eletrônicos). Os dados alfanuméricos são impressos ou estampados em produtos, etiquetas ou ainda em outra forma de fixação.

COLETOR DE DADOS:

É um microcomputador de mão destinado a tornar mais rápido o processo de coleta de dados – pode captá-los através de digitação em seu teclado ou através de um scanner acoplado.

CONFAZ:

Conselho Fazendário. Composto pelos representantes das Secretarias da Fazenda Estaduais.

CONVÊNIO:

Norma contratual celebrada em reuniões com as Secretarias da Fazenda Estaduais e publicada pelo Poder Executivo (CONFAZ), que ratifica ou não na forma de decreto.

COTEPE:

Comissão Técnica Permanente do ICMS. Orgão que tem a responsabilidade de homologar os equipamentos fiscais e elaborar os convênios fiscais.

CRE:

Caixa Registradora Eletrônica

CUPOM FISCAL:

Documento fiscal emitido em bobina de papel nas operações realizadas pelo equipamento fiscal.

EAN:

EAN significa “European Article Numbering”. Essa é uma entidade internacional que administra o sistema padrão de numeração de produtos, serviços e locais, o uso dos códigos de barras e a linguagem EANCOM para EDI. A EAN BRASIL é sua representante oficial em nosso país.

ECF:

Equipamento Emissor de Cupom Fiscal com capacidade de efetuar o cálculo do imposto por alíquota incidente, indicando, no cupom fiscal, o grande total (GT) acumulado, o símbolo característico de acumulação no totalizador, e situação tributária da mercadoria.

ECF-IF:

Atende as disposições para o ECF-PDV, sendo constituído de módulo impressor, módulo gerenciador e periféricos.

ECF-MR:

Através da utilização de totalizadores parciais, o ECF-MR  é capaz de identificar as situações tributárias das mercadorias

ECF-PDV:

Equipamento que apresenta a possibilidade de identificar a descrição, quantidade e  situação tributária de cada mercadoria registrada.

EDI:

Ferramenta de comunicação que possibilita a transmissão, entre computadores de empresas, de documentos de negócios pré-formatados segundo um padrão comum. A comunicação é, em geral, intermediada por empresas chamadas VAN que operam serviços de recepção, guarda e retransmissão de mensagens, como se fossem “caixas postais eletrônicas”. A sigla EDI significa “Eletronic Data Interchange” ou, em português, “Intercâmbio Eletrônico de Dados”.

LEITURA X:

É um relatório emitido a qualquer momento, pelo equipamento fiscal, indicando os valores acumulados nos contadores e totalizadores, sem que isso resulte em anulamento ou diminuição destes valores.

LINHAS FISCAIS:

As impressoras fiscais possuem algumas linhas, denominadas linhas fiscais, que são impressas pela própria impressora e indicam a realização de operações fiscais pelo firmware dos módulos. As linhas indicam: definição de parâmetros nas impressoras – número de fabricação, clichê, registradores fiscais, data e hora, etc; mensagens controladas pelo firmware; operações fiscais como descontos, cancelamentos, etc; operações de venda no Grande Total (GT) de Vendas com o símbolo fiscal “>>” à esquerda.

LOGOTIPO FISCAL:

É um símbolo, representado pela impressão dos caracteres BR de maneira estilizada, que é impresso no início (abertura) de qualquer documento fiscal emitido pelas impressoras fiscais.

MEMÓRIA SRAM:

Static Random Acces Memory, ou Memória Estática de Acesso Aleatório: tem como função armazenar dados, através de uma memória de acesso aleatório – desde que seja mantida sua alimentação. É um processo bem diferente da Memória DRAM, onde existe a necessidade de refrescar as células Bits. Mémorias SRAM são rápidas com uso de memória cachê L1 e L2 e possuem Circuito Flip-flop.

MEMÓRIA FLASH:

A memória Flash é volátil e utiliza um sistema parecido ao do computador, a EEPROM. Opera múltiplas funções de armazenamento ou exclusão de endereços. Não necessita de uma fonte de alimentação. Sua combinação com um chip faz com que a duração seja ainda maior. É usada em dispositivos portáteis pela sua disposição de tempo de acesso.

PDV:

O terminal Ponto de Venda é a principal ferramenta da automação de lojas. Equipamento que, além de registrar a venda ao cliente, funciona como a principal estação de captação de dados dentro da loja – é através dele que são registrados os produtos vendidos, as devoluções, os preços cobrados, descontos concedidos, as operações com dinheiro/cheques/cartões, hora, data, etc; bem como são acionados os sistemas de baixa e controle de estoque, apuração de tributos, contabilização e outros. A ele acoplam-se outros recursos (scanners, leitores de cartão, impressoras de cheque, consultas, etc.).  Hoje o PDV é chamado de ECF – Emissor de Cupons Fiscais.

REDUÇÃO Z / FECHAMENTO Z:

Relatório emitido pelo equipamento fiscal, contendo idênticas informações às de Leitura X, indicando a totalização dos valores acumulados e resultando obrigatoriamente no zeramento dos totalizadores e contadores parciais. Operação realizada obrigatoriamente no encerramento de um período fiscal (diariamente).

REGIME ESPECIAL:

Documento fornecido pela Secretaria da Fazenda Estadual, concedendo um funcionamento especial para equipamento com finalidade fiscal, no estabelecimento solicitante.

RFID:

Radio Frequency Identification – Identificação por Rádio Frequência

SÍMBOLOS FISCAIS:

Os símbolos fiscais são caracteres especiais que não fazem parte da tabela de caracteres das impressoras. Existe, portanto, a garantia que apenas o firmware das impressoras fiscais imprime um símbolo fiscal. Todos os símbolos fiscais ocupam apenas uma coluna na linha impressa. A impressão de qualquer dos registradores irreversíveis está associada a um símbolo fiscal, impresso de maneira automática pelas impressoras fiscais. O símbolo fiscal é inserido pelo firmware do equipamento sempre à esquerda do valor impresso. Exemplos: símbolo fiscal associado à impressão do registrador número 01, Grande Total (GT) de Vendas, ou de valor a ele somado: “>>”; símbolo fiscal associado à impressão dos demais registradores irreversíveis: “&”.

TEF:

Sistema que liga “on-line” a loja ao banco, permitindo que, pela leitura do cartão magnético e digitação da senha do correntista, ocorra a transferência automática da conta bancária do cliente para a conta bancária da loja.




Artigos Relacionados



Comentários

Uma empresa do Grupo JBZ